Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Aula Magna do curso de Direito tratou sobre os 30 anos da Constituição Federal e o garantismo jurídico no Brasil

Aula Magna do curso de Direito tratou sobre os 30 anos da Constituição Federal e o garantismo jurídico no Brasil

21/03/2019 15h09 - última modificação 22/03/2019 14h23

Foi realizada na noite da última sexta-feira, 15 de março, a Aula Magna do curso de Direito da Faculdade Metodista. A atividade marcou o início do semestre e abordou o tema “Os 30 anos da Constituição Federal de 1988 e o garantismo jurídico no Brasil”. A palestra esteve a cargo do professor Dr. Alfredo Copetti e ocorreu no Auditório Alice Denison, com a presença de acadêmicos, calouros, docentes e pessoas da comunidade.

O professor do curso de Direito, Leonardo da Cunha Kurtz, realizou a abertura da programação com uma breve apresentação do convidado. Em seguida, saudou a plateia e fez seus agradecimentos e também destacou a importância da presença dos estudantes da instituição, que lotaram o Auditório na noite da sexta-feira. “Eles são a razão de estarmos aqui e de produzirmos eventos como esse. Ficamos muito felizes quando vemos essa quantidade de alunos nos prestigiando”, comentou.

Na sequência, o Agente da Pastoral, Ideifle da Silva Júnior realizou um momento de oração e bênção. A partir da leitura da passagem bíblica de Mateus 5:20, o reverendo ressaltou que a justiça deve ser plena, abraçando a todos e não apenas uma parcela da sociedade. “Em vista de tudo que estamos vivendo em nosso país, devemos lembrar que o fim da justiça é o bem comum”, apontou.

                                       

Logo após, Alfredo Copetti deu início a palestra explanando sobre a constituição rígida, que possui um procedimento de alteração mais rigoroso e se constitui no âmbito de estruturas políticas. O professor também abordou alguns aspectos a respeito das garantias, que segundo ele, são propriedade de todos os indivíduos e estão amplamente relacionadas à Constituição Federal. “Não podemos pensar na constituição sem pensar em garantias”, afirma.

Coppeti relatou que o garantismo chegou ao Brasil por meio da obra “Direito e Razão – Teoria do Garantismo Penal”, escrita por Luigi Ferrajoli, em 1989. “Nesta obra, o autor constrói uma estrutura que pretende promover o direito, limitar poderes e expor as garantias”, esclarece. No entanto, ele observa que o garantismo não é bem compreendido no Brasil, já que muitas vezes é interpretado como uma proposta de proteção e garantia de impunibilidade de criminosos. “A garantia é uma posição jurídica contra qualquer tipo de poder e pretende atribuir limites ao direito de punir”, defende.  

                                        

Coppeti também explicou que a constituição tem a função de organizar o estado, garantir direitos e propor limites ao poder. E que não há nenhuma estrutura de estado de direito contemporâneo que não se vincule a ideia de garantias. O doutor em Direito ainda comentou a respeito do papel do direito penal para a sociedade, que de acordo com ele, serve exclusivamente para a proteção dos indivíduos. “O direito penal garante o direito mínimo para pessoas que, em alguma medida, são atingidas por estruturas de poder. Seja poder de indivíduos contra outros indivíduos, seja poder do Estado”, destaca.

 

 Assessoria de Imprensa

registrado em: